Alex Hamburger

Desde o início dos anos 80 Alex Hamburger tem procurado manipular as linguagens por meio de estratégias e ações que buscam romper com os usuais limites sintáticos e semânticos da palavra e da imagem.

Alex Hamburger

Ana Aly

Antonio Risério

Elson Fróes

Felipe Fortuna

Franklin Valverde

Gabriela Marcondes

Gastao Debreix

Gil Jorge

Marcelo Tápia

Ronald Polito

Sebastiao Nunes

Tadeu Jungle

Ana Aly

Ana Aly é artista visual. Sua obra transita entre arte experimental contemporânea e pintura de suporte tradicional como fonte de pesquisa de criação. Desde os anos 80 caminha ativamente pela Poesia Visual tendo participado de inúmeras exposições, antologias e revistas nacionais e internacionais. Esposa e Parceira poética do Poeta Philadelpho Menezes em vida, vem trabalhando pela in “memoriam” de sua obra.

Antonio Risério

Antonio Risério nasceu em Salvador, na Bahia, em 1953. Poeta e ensaísta, defendeu tese de mestrado em Sociologia e fez especialização em Antropologia pela Universidade Federal da Bahia. Integrou grupos de trabalho que implantaram a televisão educativa, as fundações Gregório de Mattos e o hospital Sarah Kubitschek, na Bahia. Elaborou o projeto geral para a implantação do Museu da Língua Portuguesa (São Paulo) e do Cais do Sertão Luiz Gonzaga (Pernambuco). Escreveu, entre outros, os livros Carnaval Ijexá (1981), Avant-garde na Bahia (1995), Oriki Orixá (1996), A utopia brasileira e os movimentos negros (2007), A cidade no Brasil (2012), Que você é esse? (2016), Sobre o relativismo pós-moderno e a fantasia fascista da esquerda identitária (2019) e Outrossim (2021).

Elson Fróes

Elson Fróes - nasceu em São Paulo, SP, Brasil. Formou-se em Letras pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP). Colaborou com poemas e traduções em vários jornais e revistas literárias no Brasil e no exterior. Além de textos criativos, em poesia e prosa, também se dedica à poesia visual, elaborada com toda sorte de recursos, do artesanal ao eletrônico. Participou de várias mostras internacionais de poesia visual, como a IV Bienal Internacional de Poesia Visual y Experimental, México, 1994. Lançou os e-books Poemas Galegos e Poemas Traduzidos em 2000. Seu trabalho está voltado para a pesquisa em semiótica visual e webdesign, além de intensa divulgação cultural desde 1998 no portal Pop Box [http://www.elsonfroes.com.br/]. Lançou Poemas Diversos em 2008, Viajo com os olhos, poemas visuais, em 2018 e Brinquedos Quebrados em 2019. Foi curador de três edições da mostra Videopoéticas no Centro Cultural São Paulo entre 2011 e 2014.

Felipe Fortuna

Felipe Fortuna - É poeta, ensaísta, tradutor e diplomata. Estreou com o livro de poemas Ou Vice-Versa (1986). Com Taturana (2015) e O Rugido do Sol (2018) publicou mais de 100 poemas visuais, dos quais foram selecionados os que se encontram nesta exposição.

Franklin Valverde

O paulistano Franklin Valverde é escritor, poeta, jornalista e professor universitário. É graduado em Jornalismo (PUC-SP), mestre em Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-americana pela FFLCH-USP e doutor em Ciências da Comunicação pela ECA-USP. No jornalismo trabalhou no Jornal da Tarde, Folha da Tarde, Veja São Paulo, IPS, O Estado de S.Paulo; foi editor das revistas Churrasco & Churrascarias, Viva Gourmet e K – Jornal de Crítica. Teve programas radiofônicos nas emissoras: Brasil 2000 FM, Cultura FM, Trianon AM e Brasil Atual FM. Também foi apresentador do programa Debate Aberto, da TV São Marcos, no Canal Universitário (São Paulo). No ensino superior ministrou aulas na Universidade São Marcos, Uninove, Mauá, Unip, Estácio, Fatec, Universidade de São Paulo e Universidade Federal de São Paulo. Na literatura estreou em livro, aos 22 anos, na antologia Veia poética (Vertente), iniciando um percurso de publicações em livros, catálogos e exposições no Brasil, Alemanha, Argentina, Chile, Cuba, Espanha, França, Itália, México, Portugal e Uruguai. No campo poético tem privilegiado as produções que contemplam o experimentalismo, seja visual ou sonoro, além de se dedicar a criação de poemas-objeto, ministrando cursos, oficinas e palestras a respeito dessa expressão artística e da experimentação literária. Publicou Banco de versos (Terceira Margem), Antes do zoológico (Patuá), Babylonia Blues (Patuá), entre outros.

Gabriela Marcondes

Gab Marcondes é poeta, artista visual e mestre em música pela UFRJ com a dissertação “Poesia Sonora: entre o som e a palavra”. Lançou pela 7letras “Videoverso: poesia que lê vendo; que se vê lendo”, “Depois do vértice da noite” (2010) e Mão dupla (2016) coleção megamini. Em 2015 lançou “Em caso de emergência pare o tempo” pela editora Circuito. Além destas tem diversas publicações independentes. Para além do papel, seu trabalho se expande para vídeo-poemas, poemas sonoros, aplicativos poéticos e objetos poéticos sempre trabalhando a relação entre escrita e visualidade.

Gastao Debreix

Gastão Debreix (1960) dedica-se à poesia, às artes visuais, ao design e ao ensino das artes. Como artista plástico e poeta visual, tem participado nos últimos 30 anos  de inúmeras exposições em Bauru, São Paulo (SESC-Pompéia, SESC-Vila Mariana, FAAP, Galeria Virgílio, IA-UNESP, Caixa Cultural, Baró Galeria, Galeria Andrea Rehder), Caixa Cultural do Rio de Janeiro, Austin (Texas-EUA), etc. Além de publicações autônomas, tem veiculado seus trabalhos em revistas independentes, como ARTÉRIA e outras. Desde o início de 1990 tem desenvolvido projetos para Arte Postal. Atualmente mora em Bauru, é Instrutor Artístico na área de Artes Visuais da Divisão de Ensino às Artes da Secretaria Municipal de Cultura de Bauru.

Gil Jorge

Gil Jorge (Gilberto José Jorge) nasceu em Santo André (SP, Brasil) em 1960. Poeta, editor e promotor de eventos culturais. Boa parte dos poemas que realizou desde os anos 80 se situa na vertente de uma caligrafia gestual e tipográfica, fortemente influenciado pela Poesia Concreta criada pelos irmãos Campos e Décio Pignatari. Foi co-organizador da mostra Poesia Evidência, em 1984, na PUCSP; co-editor da revista de caligrafias impressa em serigrafia pela Entretempo, AGRRAFICA, em 1987; co-editor do álbum Atlas, com mais de 80 participantes, entre cineastas, artistas plásticos, poetas, músicos etc. Participou com vários poemas ao longo das edições da revista Artéria, editada por Omar Khouri e Paulo Miranda. Acaba de publicar, pela Editora Demônio Negro , de Vanderley Mendonça, o seu primeiro livro de poemas visuais, intitulado “Mínimas” (2019). Viveu e trabalhou em São Paulo, porém, há dezessete anos vive em Paraty, RJ.

Marcelo Tápia

Marcelo Tápia É poeta, ensaísta e tradutor, autor dos livros Primitipo (Massao Ohno, 1982), de poesia visual, Refusões – poesia 2017-1982 (Perspectiva, 2017), Týkhe – Uma quarentena de poemas (Olavobrás / Dobradura, 2020) e Nékuia: um diálogo com os mortos (no prelo), entre outros. Doutor em Teoria Literária e Literatura Comparada pela FFLCH-USP, realizou pós-doutorado em Letras Clássicas na mesma instituição, onde atua como professor do LETRA – Programa de Pós-Graduação em Letras Estrangeiras e Tradução. É diretor da Rede de Museus-Casas Literários de São Paulo, da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa. 

Ronald Polito

Ronald Polito é poeta e tradutor. Publicou os livros Solo, Vaga, Objeto, Intervalos, De passagem, Terminal, Ao abrigo e Rinoceronte, entre outros. Traduziu autores de língua catalã e castelhana.

Sebastiao Nunes

Escritor e artista gráfico, Sebastião Nunes, mineiro de Bocaiúva, nasceu em 05/12/1938 e já morou em Montes Claros, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Sabará e Coimbra (Portugal), residindo atualmente em Glaura, distrito de Ouro Preto.

 

Publicou 16 livros de poesia e prosa experimental para adultos, além de cerca de uma dezena de literatura infantojuvenil. Decidiu ser escritor aos 15 anos e desde então foi essa a sua atividade principal. Para sobreviver – já que literatura raramente garante o pão de cada dia –, trabalhou em publicidade durante muitos anos. Hoje se dedica principalmente a escrever e cuidar da horta que mantém no quintal.

 

Como Sebastião Nuvens*, começou a publicar textos para jovens em 1996, inspirado pelas filhas Teresa e Alice, então com 10 e 5 anos. Em 2000, diante da dificuldade de publicar novos trabalhos infantojuvenis, fundou, com um grupo de autores, ilustradores e amigos, a Editora Dubolsinho, com o objetivo de lançar livros bons e bonitos, produzidos pelos cotistas-fundadores e também por autores e ilustradores convidados. Outra editora, a Aaatchim! Editorial, nasceu em 2012, com o mesmo objetivo da irmã mais velha.

 

Sebastião Nunes foi, por mais de dez anos, colunista dominical do jornal “O Tempo”, de Belo Horizonte. Atualmente escreve, também aos domingos, no portal eletrônico paulistano www.ggn.com.br

 

Mais informações sobre o autor podem ser encontradas na Wikipédia.

 

*O codinome Nuvens é invenção de Zelinha, minha mulher.

TADEU JUNGLE

Tadeu Jungle. O poeta e artista multimídia Tadeu Jungle é autor de trabalhos importantes nas áreas de fotografia, vídeo, instalações, poesia visual, cinema e realidade virtual.

Formou-se em Comunicação Social pela Escola de Comunicação e Artes da USP em 1980. No começo da década de 80 tornou-se um dos líderes no movimento de videoarte que surgiu no Brasil e investiu em programas de televisão inovadores em emissoras como a TV Gazeta (TV Mix) e a TV Cultura (Fábrica do Som). Nos anos 90, dirigiu o programa ”Gente de Expressão”, participou do evento arte/cidade e dirigiu videoclipes para artistas como Arnaldo Antunes e Zeca Baleiro. Como poeta visual, publicou em diversas revistas e jornais e reuniu seus trabalhos no livro VIDEOFOTOPOESIA (2014).